Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



(...)O desejo sempre assinala uma dependência. Num certo sentido, todos nós dependemos de alguém (do padeiro, do leiteiro, do agricultor etc., necessárias à organização de nossa vida).
 
Mas, depender de outra pessoa para nossa própria felicidade, além de ser uma coisa nefasta para nós mesmos, representa um grande perigo, pois, com isso, estamos afirmando algo contrario ávida e a realidade.
 
Portanto, depender de outra pessoa para estar alegre ou triste é remar contra a correnteza da realidade, pois a felicidade e a alegria não podem vir de fora, já que estão dentro de nós. Só nós mesmos podemos tornar reais as forças de amor e felicidade que existem dentro de nós, e apenas aquilo que conseguimos expressar, a partir dessa nossa realidade, pode nos tornar felizes. De fato, o que vem de fora pode vir a nos estimular mais ou menos, mas não nos dá uma gota sequer de felicidade.
 
(...) Não é possível caminhar quando temos necessidades emocionais, que precisamos nos sentir queridos e apreciados, que devemos pertencer a outra pessoa, a alguém que nos deseje. Não é verdade. Quando um individuo sente esse tipo de necessidade, esta sofrendo de uma enfermidade que vem de sua insegurança afetiva.
 
Tanto a enfermidade — a necessidade de sentir-se querido — como a cura que se deseja — o amor recebido — baseiam-se em falsas premissas. Não existem necessidades emocionais para conseguir a felicidade externa. Isto porque você, enquanto pessoa, é o amor e a felicidade em si mesmo, e apenas mostrando esse amor e desfrutando dele você vai ser realmente feliz, sem vontade nem desejos, pois você já tem em si mesmo todos os elementos para ser feliz.
 
A resposta do amor externo agrada e estimula, mas não nos da mais felicidade do que aquela que já temos, pois nós mesmos já contamos com toda a felicidade que somos capazes de desenvolver, Deus é a verdade, a Felicidade e a Realidade, e Ele é a Fonte, sempre disposta a nos completar à medida que, livremente, nos entregamos e nos abrimos a Ele.

VOCÊ JÁ É FELICIDADE


Despertar é a única experiência que vale a pena. Abrir bem os olhos, para ver que a infelicidade não vem da rea­lidade, mas dos desejos e das idéias equivocadas.
 
Para ser feliz não é preciso fazer coisa alguma, além de desfazer-se de falsas idéias, das ilusões e fantasias que não nos permitem ver a realidade. Uma pessoa só consegue isso se mantendo acordada e chamando as coisas por seus verdadeiros nomes.
 
Você já é felicidade, assim como é amor, mas não vê isso porque está dormindo. Esconde-se atrás das fantasias, das ilusões, e também das misérias das quais se envergo­nha. Nós todos fomos programados para ser felizes ou infelizes (dependendo de apertarem o botão do elogio ou da crítica), e isso é o que nos confunde. É preciso que reconheçamos isso, saindo dessa programação e procuran­do dar às coisas os seus nomes verdadeiros.
 
Se você insiste em não despertar, nada se pode fazer:
 
“Não deves empenhar-te em tentar fazer um porco cantar, pois estarás perdendo o teu tempo e o porco acabará SE irritando”.
 
Todo mundo sabe que o pior cego é aquele que não quer ver.
 
Se você não quer ver e despertar, continuara programado; e as pessoas adormecidas e programadas são mais fáceis de permitirem ser controladas pela sociedade.
 
Capitulo Um do livro Auto Libertação – Antony de Mello 

Publicado por  Pensar Compulsivo
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Estamos no facebook