Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



pbpic.jpg

[...]  Se podeis imaginar a Supermente como um grande oceano com miríades de braços, cada um representando uma mente humana individual, estais a caminho de compreender a origem dos fenômenos ocultos e o princípio da telepatia. Muito ouvimos falar de poderes ocultos. Há pessoas que supõem que o desenvolvimento desses poderes ou é um complemento necessário da busca ou é em si desejável. Os poderes ocultos nada têm a ver com nossa busca. Na busca do Super-eu não devemos deter-nos na rota. Todos os poderes ocultos são inerentes ao plano da mente.  São fenômenos dentro da região da Supermente planetária. Se obtiverdes acesso às regiões da Supermente, obtereis acesso aos poderes ocultos.

  Mas a Supermente não é o Super-eu. É um plano inferior. Se pretendeis permanecer dentro da região da Supermente, nunca atingireis o Super-eu. Que quereis? Quereis o reino do céu? Então deveis prosseguir. Deveis pôr de lado a Supermente e com ela os poderes ocultos. Aprendei a penetrar naquela porta estreita onde tudo é deixado atrás: posses materiais e posses mentais.

    Se vos apegais a poderes ocultos, nunca podereis atravessar a porta que leva ao reino do céu. Esses poderes não interessam à nossa busca do Super-eu. Algumas pessoas desperdiçam seu tempo e energia na perquirição destes poderes; porém são pouquíssimas que conseguem obtê-los. No entanto, se o conseguem, farão alto em sua busca espiritual. E ficarão marcando passo até desistirem de sua perquirição de fenômenos ocultos. É fácil compreender quantos cultos surgem acompanhando líderes já detidos em vários pontos ao longo do caminho de sua busca da verdade.

   Sim, é perfeitamente possível curar. O poder da Supermente é tal que pode salvar-nos das garras da morte, onde os médicos desistiram desesperados. Mais de uma vez vi este poder salutarmente exercido. Mas o segredo é que ele operou através de um canal humano que deliberada e egoisticamente não se pôs a curar, e consequentemente a cura foi certa e permanente.

 

A cura mental só se justifica quando cria uma visão superior no paciente, quando lhe dá a compreensão de que ele não é o corpo, mas algo não material.

 

 Jesus prometeu que todas as demais coisas vos seriam acrescentadas, se buscásseis o reino do céu. Vede assim que existe um caminho superior para obter demonstrações, um caminho superior que requer que busqueis o reino do céu. E se quereis encontrar esse reino, tendes de renunciar a vosso ego pessoal, e se renunciai a vosso ego pessoal, renunciai ao desejo de coisas materiais. Tereis certas necessidades materiais, mas então as confiareis a vosso Pai no céu e Ele cuidará delas. Mas se concebeis que sois mais sábio que vosso Pai e tentai ditar ao Pai por meio da concentração mental, então ele vos deixa a sós, para que descubrais as coisas por meio de vossas próprias experiências.

 

  Tendes o caminho de Jesus e tendes o caminho desses cultos; são dois caminhos diferentes. E ainda que os cultos usem o nome de Jesus e pretendam que O estão seguindo, não são a mesma coisa. Os caminhos são diferentes. Certas demonstrações materiais são possíveis através de ambos os caminhos, mas outras não o são por nenhum. A última palavra pertence a Deus e não a nós. Mas o primeiro é o caminho da submissão da vontade do eu pessoal, e, portanto, sempre traz a paz e fortaleza internas para enfrentarmos as dificuldades, quer isso importe ou não em atrair boa fortuna ou saúde. O segundo é o caminho do uso do eu pessoal para satisfazer desejos pessoais; e sempre traz inquietude e incertezas mentais com as quais enfrentamos as dificuldades. O primeiro caminho é divino e certo; o segundo é egoísta e errado.

 

  Quanto ao fato de que estes postulados se baseiam no princípio de que o pensamento concentrado tende a tornar-se criador no plano objetivo, é exato. Não obstante, tal ensinamento não é certo para o pensamento de noventa e cinco por cento das pessoas que o estudam, simplesmente porque os seus pensamentos não são suficientemente poderosos para tornarem-se rapidamente criadores. Esta doutrina é certa somente para o adepto, cujos pensamentos estão cheios do poder criador da mente cósmica. Dai, só os seguidores desses cultos que hajam praticado a yoga até um grau bastante adiantado e atraído este poder universal, podem começar a materializar seus pensamento.

(...)

O adepto dotado de poderes ocultos os encara como poderes do sonho. Para ele, estes poderes não têm grande importância, porque para exercê-los ele tem de descer de sua mais elevada consciência. É para ele uma forma de autosacrifício o emprego da cura ou poderes ocultos, porque não pertencem ao plano do espírito eterno; pertencem ao plano da mente, que é inferior.

 

Vaidade é a primeira das armadilhas à espera da pessoa com poderes ocultos semidesenvolvidos. O sobrenatural é meramente o natural mal compreendido. Cada mente finita é apenas um remoinho, um vórtice, na Supermente infinita. Em realidade não tem nenhuma existência separada e distinta, em substância, mas assemelha-se à cava de uma onda no oceano, do qual difere apenas na forma. Em tempo algum esteve separada da Supermente.

 

  Portanto, não cometais o erro comum de esperar maravilhas ocultas de um adepto, ou ficareis decepcionados. Ele utilizará estes poderes ocultos sempre que achar conveniente, porém não de outra maneira. Há uma coisa que devemos lembrar-nos: o homem que encontrou o espírito divino também encontrou a fonte de todos os poderes, inclusos os ocultos. Os próprios poderes mágicos são expressões menores dos poderes superiores do Super-eu, porque, finalmente, existe apenas um poder e uma força em todo o Universo, como existe apenas uma mente. À medida que esta força desce e se condensa, ela se divide em forças inferiores, e estas ainda em expressões mais tênues e nas várias forças e energias que conhecemos.

Um adepto pode, por exemplo, não ter desenvolvido o poder de curar. Ele pode ter trabalhado pelo poder do Super-eu, que é o maior do mundo. Com esse poder ele pode obrar os maiores milagres, muito maiores do que os executados por um ocultista. O maior milagre que um adepto pode efetuar é ajudar os outros a uma mudança de consciência,pois isso os auxilia a despertar-se da ilusão para a verdade. Não obstante,  é tal o poder do Super-eu, que está na base de todas as coisas, que ele pode a todos os momentos operar,  e opera, os mais surpreendentes milagres, através do instrumento do Super-eu, por certo. Aqueles que têm aparecido neste mundo e operado maravilhas e milagres, geralmente não foram adeptos no melhor sentido. Não encontraram a vida eterna. Se desejam tornar-se verdadeiros adeptos, se desejam tornar-se tal qual foi Jesus, então só lhes resta um passo a dar, o qual consiste em renunciarem a seus poderes e colocarem-se no caminho mais elevado.


Tais poderes se tornam uma pedra de tropeço quando começam a procurar algo superior. Seus poderes são ainda mentais, e para procurar o plano do espírito, os buscadores devem transcender o plano da mente. Ganho o espírito, tais homens, se transcenderem a mente e renunciarem aos poderes, terão mais tarde estes poderes restituídos.  O Super-eu então os utiliza para realizar feitos milagrosos, de sorte que não haja mais nenhum motivo egoísta. Os poderes serão utilizados apenas como uma expressão da vontade do Super-eu, não do eu pessoal, que causa todas as diferenças no mundo.

Há um grande mistério relacionado com a consciência espiritual, um mistério que os ocidentais acham muito difícil de compreender, e esse jaz na submissão do ego, ou, como referiu Jesus, na “perda de sua própria vida”. Quando submeteis vosso ego e atingis a verdade, não mais atuais, mas atuam em vós; não mais falais, mas falam por vós. Isto significa que o Super-eu encontrou neste mundo material um foco e um canal que antes não teve. Este é o milagre. Está na base de todas as coisas; interpenetra todo o espaço.

O observador de fora via milagres efetuados por Jesus, e ainda assim cuidava que Jesus deliberadamente queria que acontecesse determinada coisa. Jesus nada queria, mas deixava-Se ser intermediário do querer. O Super-eu, que é o único espírito presente tanto nos outros quanto em Jesus, sabendo perfeitamente o que deve ser feito, o que deve ser servido, quis naqueles momentos que estes milagres fossem feitos, e os fez.

Segui o caminho que Jesus nos ensinou, que é o da submissão do ego. Vosso Pai sabe o de que necessitais. Ele vos pôs neste mundo. Se o sabeis, seguramente Ele também o sabe. Segui esta busca sem receio, pois nada tendes a temer. Confiaste toda a vossa vida a Deus. Fizeste isto, não por ato de fé apenas, mas também por comunhão consciente. O fardo que a maioria dos mortais carrega sobre suas mentes e dentro de seus corações, foi alijado de vós. Daqui em diante viveis como um homem ou mulher inspirado, atento aos ditames do Cristo Interno.


Confiai no Super-eu. Submetei-vos a ele e achareis alívio. Tereis perdido vosso eu enfardado, e o que quer que venha, mesmo a morte, vós o aceitarei. Pois conhecer vosso Super-eu é a razão interna de vossa existência. Pelo sofrimento até coisas belas vos serão mostradas. Algo do espírito eterno virá até vós.

 

 Paul Brunton  em  “A realidade interna”   Editora Pensamento.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Estamos no facebook