Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O destemor é a qualidade de todos os iluminados e de todos aqueles que seguem o Caminho da Iluminação. A vida, para eles, perdeu seus horrores e sofrimento, seu ferrão, pois eles impregnam esta existência terrestre de um novo significado, em vez de desprezá-la e maldizê-la por suas imperfeições, como fazem todos aqueles que, nos ensinamentos de Buda, tentam encontrar um pretexto para sua própria concepção negativa do mundo. Por acaso o semblante do risonho Buda, refletido um milhão de vezes pelas inúmeras imagens em todos os países budistas, é a expressão de uma atitude antagônica à vida, tal como os atuais representantes intelectuais do Budismo (especialmente no Ocidente) tentam com frequência demonstrar? 
 
Condenar a vida como algo mau, antes de ter esgotado suas possibilidades de um desenvolvimento superior, antes de ter chegado a descortinar uma compreensão de seu aspecto universal e antes de ter compreendido as qualidades supremas da consciência na obtenção da iluminação, o fruto mais nobre e a realização última de toda a existência, representa um tipo de atitude não só PRESUNÇOSA e IRRACIONAL mas também completamente TOLA. Ela só pode ser comparada à atitude de um homem ignorante que, após examinar uma fruta verde, considera-a não comestível e joga-a fora, em vez de dar a ela a oportunidade de amadurecer. 
 
Somente aquele que alcançou o estado supra-individual da Perfeita Iluminação pode renunciar à "individualidade". Aqueles, contudo, que reprimem suas atividades sensoriais e suas funções naturais da vida, antes mesmo de ter tentado utilizá-las de MODO CORRETO, não se tornarão santos mas meramente PETRIFICADOS. Uma santidade, que se apóia simplesmente em virtudes negativas, meramente na ABSTENÇÃO e FUGA, pode impressionar a multidão e pode ser considerada como uma prova de autocontrole e de força espiritual; contudo, conduzirá apenas à AUTO-ANIQUILAÇÃO ESPIRITUAL e não à iluminação. Tal é o caminho da estagnação, da morte espiritual. Trata-se da libertação do sofrimento às custas da vida e da FAGULHA potencial da Iluminação no nosso interior. 
 
A descoberta dessa FAGULHA é o começo do Caminho da Iluminação, que realiza a liberação do sofrimento e dos grilhões do estado de ego, não mediante a uma negação da vida, mas através da ajuda ao próximo durante o esforço na direção da Perfeita Iluminação. (...)

Antes de emitirmos algum juízo acerca do significado da vida e da natureza real do universo, deveríamos nos perguntar: "Afinal de contas, quem é que assume aqui o papel de juiz?" A própria mente julgadora, discriminadora, não é uma parte e um produto desse mesmo mundo que ela condena? Se considerarmos nossa mente capaz de julgamento, então já concedemos ao mundo um valor espiritual, a saber, a faculdade de produzir uma consciência que vai além das meras necessidades e limitações de uma vida transiente. Contudo, se esse é o caso, não temos razão alguma em duvidar das possibilidades ulteriores de desenvolvimento dessa consciência ou de um tipo mais profundo de consciência, que se situa na própria raiz do universo e da qual conhecemos apenas uma pequena seção superficial. 
 
Se, por outro lado, adotamos a opinião de que a consciência não é um produto do mundo, mas que o mundo é um produto da consciência, torna-se óbvio que vivemos exatamente no tipo de mundo QUE TEMOS CRIADO e que, portanto, MERECEMOS, e que o remédio não pode estar numa "FUGA" do "MUNDO" mas apenas numa MUDANÇA DA "MENTE". Tal mudança, porém, só pode ocorrer se conhecemos a natureza mais secreta dessa mente e de seu poder. Uma mente que é capaz de interpretar os raios emitidos pelos corpos celestes, a uma distância de milhões de anos-luz, não é menos maravilhosa que a natureza da própria luz. Quanto mais magnífico não é o milagre dessa luz interior que habita as profundezas de nossa consciência!

O Buda e muitos de seus numerosos discípulos forneceram-nos uma compreensão dessa consciência mais profunda (universal). Este fato, por si só, possui muito mais valor do que todas as teorias científicas e filosóficas, pois mostra à humanidade o caminho do futuro. Assim, pode existir apenas UM problema para nós: despertar, dentro de nós mesmos, essa consciência mais profunda e penetrar naquele estado que o Buda chamou de "Despertar" ou "Iluminação". Esse é o caminho para a realização do estado-de-Buda dentro de nós mesmos. 
 
Lama Anagarika Govinda
 
Publicado por Pensar compulsivo 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Estamos no facebook