Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Busca por liberação também é sofrimento.
 

Os sacerdotes ao redor do mundo, sejam cristãos, budistas, hindus ou tibetanos, sempre disseram que há a promessa de algo maior. Faça isso e você irá para o céu, e se não fizer irá para o inferno. O que é interpretado na versão hindu de um modo e nas outras de outro modo, mas isso é irrelevante. Assim, nossas mentes estão fortemente condicionadas por algo diferente de "o que é". Esse algo é a terra prometida, a utopia, o paraíso, a iluminação, o nirvana, a moksha dos hindus. Porque eu não sei o que fazer com isso, "o que é", todo o meu desejo é por aquilo..

Isso é colocado de diferentes modos: os comunistas querem um Estado perfeito, um ambiente perfeito. É o mesmo problema, a mesma questão, apenas posta em palavras diferentes - o amanhã. Então essa pode ser - eu estou perguntando - uma das razões fundamentais por que os seres humanos não mudam, porque eles têm isso - o mais elevado princípio perfeito, chamado Brahman na Índia ou nirvana pelos budistas, paraíso pelos cristãos, e assim por diante. Essa pode ser uma das razões fundamentais por que os seres humanos não mudam. Ou por causa do ideal perfeito, ou do homem ou da mulher perfeita. O que significa que "o que é" não é importante, mas o ideal perfeito é importante, o Estado perfeito é importante, o inominado é importante. Então não se preocupe com "o que é", não olhe para "o que é", mas traduza "o que é" em termos de "o que deveria ser". Vocês compreendem tudo isso? Espero estar alcançando vocês. Então nós criamos essa dualidade: "o que deveria ser" e "o que é". E estamos dizendo que essa pode ser uma das principais razões por que os seres humanos não mudam.

Quando há essa divisão entre "o que é" e "o que deveria ser", o mais elevado, então há conflito, certo? Divisão entre o árabe e o judeu. Onde quer que haja divisão tem de haver conflito, essa é a lei. Então temos sido condicionados nessa divisão, a aceitar, a viver nessa divisão entre "o que é" e "o que deveria ser". O "que deveria ser" foi trazido porque eu não sei como lidar com "o que é". Ou "o que deveria ser" é visto como uma alavanca - vocês entendem? - para se livrar de "o que é". Então isso é um conflito. Assim, por que a mente criou "o que deveria ser"? E por que não está totalmente preocupada com "o que é"? Por que a mente fez isso? Por que o pensamento fez isso?

O pensamento, se está alerta, de todo, diz "Isto é um fragmento, isto é transitório, aquilo é permanente" - vocês entendem? Isso "que é" é transitório, e o pensamento criou o princípio mais elevado, que ele pensa ser permanente - o pensamento acha isso. Isto é impermanente, aquilo é permanente. Ambos sendo criações do pensamento. Certo? Deus, o Salvador - todos criados pelo pensamento, o "que deveria ser".

Assim o pensamento criou essa divisão, e então diz "Eu não posso resolver isto, mas vou abordar aquilo". Agora quando você vê a verdade disto, aquilo não existe. Apenas isto permanece. Eu me pergunto se vocês vêem isso.

O pensamento criou o ideal perfeito, o Estado perfeito, o nirvana perfeito, a moksha perfeita, o paraíso perfeito, porque não sabe o que fazer com isto, com "o que é", com meu sofrimento, minha agonia, minha ignorância impenetrável. Você vê a verdade disso? Não concordância verbal, não aceitação, aceitação lógica, mas a verdade disso? Se você vir a verdade disto, então aquilo - o ideal, o perfeito - não existe. Porque você não sabe nada sobre ele, é meramente uma projeção do pensamento. E então você tem a energia para lidar com "o que é". Em vez de perder energia lá fora, você tem a energia para lidar com o que está acontecendo. Vocês vêem a diferença? Oh, pelo amor de Deus! Vocês vêem? Então vocês têm a energia para lidar com "o que é"..
Então você tem de aprender como olhar para "o que é". A observar "o que é". Agora você já não tem mais a dualidade criada pelo "que deveria ser", mas apenas "o que é". Vocês estão começando a ver as implicações disso?.

Quando não há "o que deveria ser", o princípio mais elevado, você tem apenas isto. Isto é um fato, e aquilo não é um fato. Então nós podemos lidar com fatos.

Quando não há dualidade, há apenas uma coisa, digamos, por exemplo, a violência. Há apenas a violência, não a não-violência. A não-violência é "o que ser". Então quando você vê a verdade disso, há apenas violência, certo?

Agora você tem a energia para lidar com essa violência.

O que é a violência? Entre nisso comigo por um momento. Violência: raiva, competição, comparação, imitação - imitação sendo eu sou isto, devo ser aquilo. Então a violência psicologicamente é comparação, imitação, várias formas de conformidade, essencialmente comparação - eu sou isto, devo ser aquilo - isso é violência. Não apenas atirar bombas, violência física, isso é algo bem diferente. É provocado pela nossa sociedade podre, imoral, não vamos entrar nisso.


Então há apenas essa coisa, violência. O que é importante nisso? Qual a natureza dela? Nós descrevemos, mais ou menos, o que é violência. Você pode não concordar com a descrição, mas você sabe o que queremos dizer com violência - ciúme, raiva, ódio, irritação, arrogância, vaidade, tudo isso é parte da estrutura da violência. Essa violência vem com a figura, com a imagem que eu tenho, que é parte da minha imagem. Agora, como a mente pode ficar livre da imagem? Enquanto houver uma imagem, uma figura, eu tenho de ser violento. A figura é formada através da sensação, mais o pensamento e a imagem - vocês estão acompanhando isso? Então um ser humano compreende que enquanto houver essa imagem criada pela sensação mais pensamento, enquanto essa imagem - que sou eu - existir, eu tenho de ser violento. A violência significa "eu" e "você", "nós" e "eles". Assim a violência está aí enquanto essa imagem existir. E essa imagem é sensação mais pensamento. E não há imagem se houver apenas sensação completa. E então nós podemos lidar com "o que é". Eu me pergunto se vocês compreendem isso. .


Vejam: eu estou irritado, ou eu odeio alguém - não odeio, mas tomaremos isso como um exemplo. Eu odeio alguém porque essa pessoa fez algo feio, machucou-me e tudo o mais. Minha resposta instintiva, sendo um ser humano razoavelmente inteligente, razoavelmente normal, é dizer "Eu não devo odiá-lo, isso é ruim". Eu agora tenho duas imagens: eu odeio, e eu não devo odiar. Duas imagens. Então há uma batalha entre essas duas imagens. E a pessoa diz: controle, suprima, modifique, não ceda - vocês estão acompanhando? - isso acontece todo o tempo enquanto houver duas imagens. )


E eu sei - eu compreendi isso muito profundamente - que as imagens são formadas por sensação mais pensamento. Isso é um fato. Eu compreendi isso. Então eu deixo de fora o não-ódio - vocês entendem? Tenho apenas esse sentimento de irritação, raiva, ódio. O que é esse sentimento criado através da imagem, por alguma ação de outrem? Você fez algo à imagem que sou eu. E essa imagem está ferida, e a reação a essa ferida é a raiva. E se eu não tiver imagem, pensamento, sensação, se eu não tiver imagem, você não me toca - vocês compreendem? Não há ferir, não há ódio - que é "o que é". Agora eu sei, estou consciente do que fazer com "o que é". Vocês captaram alguma coisa disso?

Então eu descobri que os seres humanos não mudam porque estão desperdiçando sua energia, não mudam porque estão exercitando sua vontade, que eles julgam ser extremamente nobre, o que é chamado de liberdade de escolha. E além disso eles não sabem o que fazer com "o que é" e portanto projetam "o que deveria ser", e talvez também porque aquilo, o nirvana, a moksha, o paraíso, é muito mais importante do que "o que é". Esses são os bloqueios que impedem os seres humanos de mudar, essa é a razão porque não transformam radicalmente a si mesmos. Se vocês compreenderam isso profundamente, com seu sangue, com seu coração, com todos os seus sentidos, então vocês verão que há uma transformação extraordinária sem o menor esforço.

 


De Can Humanity Change, pg. 168-172 © 2003 Krishnamurti Foundation Trust,

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Estamos no facebook