Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

1016458_456213191170813_1819378242_n.jpg

    Esses três trechos estilo choque-de-realidadeabaixo são do livro “I Am That“, uma das grandes compilações de ensinamentos do mestre indiano Sri Nisargadatta Maharaj (1897-1981), que viveu e ensinou em Mumbai, na Índia, no século passado. Todas elas carregam seu estilo forte e de fala assertiva, mas nenhuma força e assertividade é maior do que o significado que as sentenças trazem: Sri Nisargadatta traça o perfil da vida do ser humano como algo iludido, perdido, com ação geralmente inútil e destino lamentável. Num dos trechos diz que o ser humano é “ignorante de Si mesmo e de sua verdadeira natureza“, e que “persegue objetivos falsos e está sempre frustrado“. Logo então fecha o mapa dizendo que “sua vida e morte são insignificantes e dolorosas, e não parece haver jeito de sair”.

A saída segundo sua instrução é o auto-conhecimento, ou o contato com a verdadeira natureza do Ser. Para ele, o único problema humano é a percepção equivocada da própria identidade. “O aparato mente-corpo que está funcionando acabou ofuscando sua essência, mas você não é esse aparato”, ensina Maharaj, num trecho que não faz parte dos selecionados abaixo. Se não é o aparato mente e corpo, o que é então? Maharaj diz que temos medo de quem somos: “Seu destino é o todo, mas você tem medo de perder sua identidade. Mas isso é infantilidade, é se apegar aos brinquedos, aos desejos e medos, às opiniões e idéias. Entregue tudo e esteja pronto para o real se apresentar”.

Seguem abaixo os três trechos traduzidos de “I Am That“, que é por sua vez uma compilação de ensinamentos originais de Sri Nisargadatta falados em Marathi, sua língua nata indiana, e traduzidos para o inglês por Maurice Frydman, publicados pela primeira vez em 1973.





01-  Vejo o que você também poderia ver, aqui e agora, mas por causa do foco errado da sua atenção você não dá atenção ao Ser. Sua mente está toda com as coisas, pessoas e idéias, nunca com seu Ser. Coloque seu Ser em foco, torne-se consciente de sua própria existência.
— Nisargadatta Maharaj

 

 

02-  Quão pouco o homem sabe de seu Ser (o substrato único, imortal e sem forma de tudo que existe), como ele toma as mais absurdas crenças sobre si mesmo como a divina verdade. É dito a ele que é o corpo, que nasceu, que morrerá, que tem pais, tarefas; ele aprende a gostar do que os outros gostam e a temer o que os outros temem. Totalmente uma criatura da hereditariedade e da sociedade, vive pela memória e age por hábitos. Ignorante de Si mesmo e de sua verdadeira natureza, ele persegue objetivos falsos e está sempre frustrado. Sua vida e morte são insignificantes e dolorosas, e não parece haver jeito de sair.
— Nisargadatta Maharaj

 

03-  Sem auto-conhecimento tudo é problema. Se você quer viver sanamente, criativamente, e feliz, e ter riquezas infinitas para compartilhar, busque pelo que você é. Sem isso você será consumido por desejos e medos, repetindo-os sem sentido num sofrimento sem fim. A maioria das pessoas não sabe que pode haver um fim para a dor. Mas assim que elas ouvem a boa notícia, obviamente ir além de todo conflito e esforço é a tarefa mais urgente que pode existir. Você sabe que pode se libertar e agora só depende de você.”
—  Nisargadatta Maharaj 

 

 

 Divulgado por  Dharmalog.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Poder do Mito é o fruto de uma séo-poder.jpgrie de conversas mantidas entre Joseph Campbell e o destacado jornalista Bill Moyers, numa brilhante combinação de sabedoria e humor. O casamento, os nascimentos virginais, a trajetória do herói, o sacrifício ritual e até os personagens heróicos do filme Guerra nas Estrelas são aqui tratados de modo original. Campbell afirmava que os mitos passados nos ajudam a compreender o presente e a nós mesmos.. - Joseph Campbell 'Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas esperiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior do nosso ser e da nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivo...' 'Nunca encontrei alguém que soubesse contar melhor uma história do que Joseph Campbell. Escutando-o falar sobre as sociedades primitivas, foi transportado às largas planuras sob a imensa cúpula do céu aberto, ou à espessa floresta sob o pálio das árvores, e comecei a entender como as vozes dos deuses falavam através do vento e do trovão, e como o espírito de Deus flutuava em todo riacho da montanha, e toda a terra florescia como um lugar sagrado - o reino da imaginação mítica.' - Bill Moyers

"O Poder do mito" é uma animada conversa entre o jornalista norte-americano Bill Moyers e seu entrevistado, o professor Joseph Campbell, uma das maiores autoridades mundiais em mitologia. Uma discussão sobre os mitos antigos e modernos, tais como o casamento, os nascimentos originais, a trajetória do herói, o sacrifício ritual e até os personagens heróicos do filme Guerra nas Estrelas , que estão na base psíquica de todo ser humano.

 

Episódio 01 - A mensagem do mito

Muito antes dos cavaleiros medievais se encarregarem de matar dragões, os contos de aventuras heróicas já faziam parte de todas as culturas mundiais. Campbell nos desafia a ver a presença de uma jornada heróica em nossas vidas.Mitos da criação, transcendendo a dualidade, os pares de opostos, Deus x Natureza, o pecado, a moralidade, a participação na tristeza, o Evangelho de Tomé, Old Time Religion, os computadores, a religião como “software”, a história de Indra: “O que grande menino sou eu!”, participação na sociedade.

Mitos da criação, transcendendo a dualidade, os pares de opostos, Deus x Natureza, o pecado, a moralidade, a participação na tristeza, o Evangelho de Tomé, Old Time Religion, os computadores, a religião como “software”, a história de Indra: “O que grande menino sou eu!”, participação na sociedade.

 

Episódio 02 -  A saga do heroi  

Campbell compara a história da criação de Gênesis com as histórias de criação no mundo. Por causa das constantes mudanças mundiais, a religião deve ser transformada e novas mitologias devem ser criadas. Hoje em dia, as pessoas se apegam a mitos que não lhes têm serventia alguma.

 

 

 

Episódio 03 - Os primeiros contadores de histórias
Memórias de Animais, harmonização com o corpo e do ciclo de vida, a consciência vs o veículo da mesma, matando por comida, história: “A esposa do Buffalo,” massacre búfalo, ritual de iniciação, os rituais decrescentes, criminalidade crescente, os artistas, o Shaman, o centro do mundo.Campbell discute a importância de aceitar a morte como um renascimento, como na história de Cristo, no ritual de passagem das sociedades primitivas e o mito do búfalo. Ele também analisa o declínio desse ritual na sociedade contemporânea.

Episódio 04 - Sacrificio e felicidade
Chefe Seattle, a terra sagrada, renovação agrícola, o sacrifício humano, o sacrifício da Massa, a transcendência da morte, história: “O Cavaleiro Verde”, ditames sociais vs felicidade seguinte, “mãos ocultas” orientar o trabalho de vida. Campbell discute o papel do sacrifício no mito, que simboliza a necessidade do renascimento. Ele enfatiza a necessidade de cada um encontrar o seu lugar sagrado neste mundo tecnológico e acelerado

 

 

Episódio 05 - O amor a deusa
Os Trovadores, Eros, o amor romântico, Tristan, libido vs credo, separação do amor, Satanás, amando o seu inimigo, a crucificação como expiação, o nascimento virginal, a história de Ísis, Osíris e Horus, a Madonna, o Big Bang, a correlação entre a Terra ou Deusa mãe e as imagens de fertilidade (o sagrado feminino). Campbell fala sobre o amor romântico, começando pelos trovadores do século 12. Ele questiona a imagem da mulher, como deusa, virgem, a Mãe Terra.

 

Episódio 06 - Máscara da eternidade
Identificando-se com o infinito, o círculo como um símbolo, palhaços e máscaras, epifanias e James Joyce, prisão artística, o monstruoso como sublime, a dança de Shiva, o que está além das palavras. Campbell proporciona visões interessantes sobre os conceitos de Deus, religião e eternidade, como foram revelados nos ensinamentos cristãos e nas crenças dos budistas, dos índios Navajo, Schopenhauer, Jung e outros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Estamos no facebook